Inicial > Livros > Fahrenheit 451, temperatura na qual livros queimam

Fahrenheit 451, temperatura na qual livros queimam

Publicado em 1953, Fahrenheit 451, do autor americano Ray Bradbury, é uma distopia estranhamente familiar. Numa época não tão distante, a sociedade é oprimida por um regime totalitário que controla qualquer forma de informação ou conhecimento transmitido à população.

A regra geral é não pensar, apenas entreter-se. Assim, as famílias passam a maior parte do tempo em frente a telas de TV, assistindo a exibição de programas fúteis e alienadores. Não há discussões, não há trocas de ideias, não há questionamento e principalmente, não há leitura! Exatamente, os livros são terminantemente proibidos. Quem for pego portando um deles é preso ou morto.

Para garantir que ninguém possua estas supostas ameaças de papel em casa, os bombeiros, que outrora lutavam contra incêndios, são responsáveis em perseguir os indivíduos portadores de livros e queimar tudo: os impressos, a casa e até mesmo o leitor, caso se recuse a entregá-los.

Um desses bombeiros, Guy Montag, é o personagem principal da trama. Oficial experiente, com mais de 10 anos de corporação, ele começa a questionar a ordem natural das coisas após um encontro inusitado com a jovem Clarissa. Um diálogo instigante é o bastante para semeá-lo com dúvidas. Montag se pega questionando o poder estabelecido e deseja entender o real perigo dos livros e da leitura.

Paradoxalmente, o homem que passou boa parte da vida queimando livros toma interesse súbito por esses artefatos proibidos e, numa certa noite, abre um deles.

Descobre que ao ler, mais dúvidas surgem, abrindo em sua mente espaço para questionamentos e perguntas que jamais lhe ocorreram. Não vou entrar em detalhes do enredo para não estragar a experiência da leitura, mas é a partir daí que suas certezas caem por terra e sua vida toma um rumo inesperado.

Ray Bradbury atingiu o feito de criar uma história atemporal e vislumbrou, há mais de 50 anos, um pouco do que vivenciamos em nosso cotidiano: uma torrente de informação inútil e que serve mais para iludir do que propriamente informar. O prefácio captura bem o teor da obra e a genialidade do autor: “Bradbury percebe o nascimento de uma forma mais sutil de totalitarismo: a indústria cultural, a sociedade de consumo e seu corolário ético – a moral do senso comum.”

Mas nem tudo é trágico ou negativo. Apesar de ser uma distopia, o livro é escrito com uma beleza poética impar. Ao final da obra, o autor passa a mensagem positiva de que, enquanto houver pessoas haverá livros, mesmo que eles não sejam propriamente de papel.

Sem dúvida um pequeno grande livro que recomendo a todos. De fato, considero Fahrenheit 451 uma verdadeira ode ao hábito da leitura e da falta que ela faz à vida das pessoas.

Ficha Técnica

Título: Fahrenheit 451
Autor: Ray Bradbury
Ano: 2009
Gênero: Literatura Estrangeira, Ficção Científica
Editora: Globo
Número de Páginas: 256

  1. Nenhum comentário ainda.
  1. No trackbacks yet.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: