Arquivo

Posts Tagged ‘Dicas de filmes alternativos’

“Amor a Toda Prova”: elenco afiado e roteiro bem feito.

Steve Carel e Juliane Moore em jantar romântico

Já falei da Emma Stone algumas vezes, ou tantas vezes que as pessoas me mandam todo e qualquer trailer em que a ruiva apareça, mesmo que por um segundo. Realmente, o jeito divertido e a interpretação natural de Emma me conquistaram meses atrás, quando assisti a excelente comédia “A Mentira”, uma indicação da Joyde aqui no Pipoca Musical. Em Amor a Toda Prova, Emma não é o ponto central da trama, mas dá um excelente show como coadjuvante.

Cal (Steve Carell) é um homem que pensava ter tudo sob controle, até que vê seu casamento indo para o espaço quando sua esposa (Julianne Moore) confessa que o traiu e pede a separação. Com a moral no fundo do poço, Cal busca consolo na bebida dia após dia em um bar local. É quando ele conhece Jacob (Ryan Gosling, de Namorados para Sempre, fantástico), o maior pegador da face da terra, que oferece ajuda para ensinar Cal como ser feliz e confiante, para provar a si mesmo que a vida continua.

Depois de jogar no lixo as roupas velhas, o tênis fora de moda e começar a usar ternos sob medida, Cal começa a interagir com outras mulheres fazendo uso dos sábios conselhos de Jacob – nunca fale muito de si, ouça sempre o que a mulher tem a dizer, seja gentil, e saia do bar acompanhado dela.

Em paralelo, conhecemos Hannah (Emma Stone), uma aluna de Direito extremamente dedicada, que tenta levar seu relacionamento pra frente, quando percebe que nunca vai sair do lugar. Ela chuta o balde e vai atrás de Jacob, que cantou ela num bar alguns dias antes.

Ryan Gosling sentado ao bar

É muito divertido ver Cal retomando o controle da sua vida, mesmo que do seu jeito. Várias mulheres – uma mais descontrolada do que a outra – caem no papo do quarentão, mas ele ainda gosta de sua ex-mulher e esse sentimento deixa o filme bonitinho. Juliane Moore (que recentemente fez “Minhas mães e meu pai”, que comentamos aqui também) faz bem seu papel e apresenta ótima química com Steve Carell.

Também tem o pequeno Robbie (Jonah Bobo), o filho de Cal que é apaixonado pela babá Jessica (Analeigh Tipto) que, por sua vez, nutre um amor maluco pelo quarentão. Mas a melhor cena é, sem dúvida, a sequência final, que dá dor no estômago de tão engraçada, e de quebra revela segredos da trama (sério, sem clichês).

Além do timing das piadas e das sequências bem produzidas, Amor a Toda Prova é um show de interpretação do elenco afiado e em sintonia. Hannah é cheia de energia, engraçada, charmosa. Jacob é inteligente, sedutor e malicioso. E Cal, mesmo desajeitado é um apaixonado.

Mesmo com o caráter “alternativo”, Amor a Toda Prova agrada a quem assiste, diverte todo mundo e ainda faz a gente pesar as atitudes que temos sem perceber. Afinal de contas, lá no fundo, somos todos apaixonados.

Ficha Técnica

Título: Amor a Toda Prova (Crazy, Stupid, Love)
Diretor: Glenn Ficarra, John Requa
Ano: 2011
Gênero: Comédia, Drama
Duração: 118 minutos

Você também pode gostar de:

A Mentira
Toda Forma de Amor
Se Enlouquecer não se Apaixone

“Toda Forma de Amor” mostra que nunca é tarde para começar

Anna e Oliver na biblioteca

A história de Olive Fields (Ewan McGregor) é contada em meio a flashbacks. Após a morte de sua mãe Georgia (Mary Page Keller), Oliver é surpreendido pela notícia de que seu pai, Hal (o carismático e encantador Christopher Plummer) tem câncer terminal e que, com 70 anos, é homossexual. Ele passa então a aproveitar as coisas boas da vida como nunca fez antes, e inicia um relacionamento com Andy, um homem mais jovem e bem liberal.

Anna e Oliver caminhando

Oliver se aproxima mais do seu pai enquanto oferece a ele todas as comodidades necessárias para que seus últimos meses de vida sejam tranquilos. Conversa sobre amor, sobre festas e bebidas, sobre solidão. Vê o pai feliz, em paz. Quando Hal morre, Oliver sente-se sozinho por perder seu melhor amigo. Ele acaba conhecendo Anna (Mélanie Laurent, revelação de Bastardos Inglórios), uma atriz francesa maluquinha e cheia de charme, que muda sua perspectiva de vida. A história do casal se desenrola de um jeito diferente, por conta das dificuldades de Oliver de manter um relacionamento sólido com alguém, mas Anna não é assim tão diferente dele.

Hal e Oliver conversando

Toda forma de amor reflete uma parte da vida do diretor, Mike Mills: a morte de sua mãe, a revelação de que seu pai era homossexual e sua morte subsequente. É um filme melancólico, ritmado, cheio de cenas que não precisam de palavras para ser explicadas. É contado com delicadeza, refletindo sentimentos conflituosos, mas não é uma comédia, muito menos um romance com promessas de amor eterno.

Ficha Técnica

Título: Toda Forma de Amor (Beginners)
Diretor: Mike Mills
Ano: 2010
Gênero: Drama
Duração: 105 min.

Se enlouquecer, não se apaixone (It’s kind of a funny story)

Cartaz do filme "Se enlouquecer, não se apaixone".Craig (Keir Gilchrist) é um adolescente de 16 anos que anda estressado com a vida, com o colégio e com o fato de ser apaixonado pela namorada do seu melhor amigo. Seus problemas são comuns na adolescência, mas ele se sente realmente depressivo. Pensa em se matar várias vezes, mas nunca concretiza o ato porque pensa em como sua família pode ficar depois disso.

Quando resolve buscar ajuda, ele vai até um hospital achando que a “cura” será rápida a tempo de voltar para casa e ir à escola no dia seguinte. O médico acaba por encarar seu apelo e o interna para uma terapia. Aceito no hospital psiquiátrico, Craig se junta aos adultos enquanto a ala juvenil está sendo reformada, e conhece pessoas com problemas sérios em suas próprias vidas, como esquizofrenia, depressão, solidão, etc.

Craig precisa ficar internado por pelo menos cinco dias, mas depois de algumas horas já se convence de que não precisa estar ali. No entanto, seus pais apoiam sua coragem de encarar seus problemas e ele acaba ficando sem alternativas, a não ser ficar.

Cena do filme em uma quadra de basquete

O filme acompanha os cinco dias de internação de Craig. Enquanto tenta evitar que seus amigos do colégio descubram onde ele está, Craig segue sua terapia, descobre e desenvolve talentos que não sabia ter, estabelece amizade com os demais pacientes e até conhece Noelle (Emma Roberts), uma menina da mesma idade, por quem se apaixona. Outra pessoa importante no seu amadurecimento é Bobby (o fantástico Zach Galifianakis de Se beber, não case), um paciente que se aproxima de Craig e lhe dá verdadeiros conselhos pra vida.

Se enlouquecer, não se apaixone é um filme triste, porém muito inteligente, que não ignora nem minimiza os problemas de ninguém, e ainda dá uma verdadeira lição de como e porque valorizar cada segundo de nossas vidas. O filme é baseado em um livro homônino de 2006, escrito por Ned Vizzini, e é uma boa pedida no começo de um novo ano.

Ficha Técnica

Título: Se enlouquecer, não se apaixone (It’s Kind of a Funny Story)
Ano: 2010
Diretor: Anna Boden, Ryan Fleck
Gênero: Drama, Comédia
Duração: 91 minutos.

Curiosidade: o novo clipe do Blink 182 para a música After Midnight segue uma temática parecida com a do filme, com algumas cenas que lembram muito Se enlouquecer, não se apaixone.

A Mentira: humor refinado e referências bem encaixadas

21/07/2011 1 comentário

Então foi assim: eu tenho um Tumblr. E algum tempo atrás começaram a pipocar stills da Emma Stone por lá, como este, mas eu não sabia do que se tratava. Conforme surgiam e surgiam aumentava meu interesse, até que resolvi sair do campo da curiosidade e pesquisar. Era a comédia A mentira. Corri pra ver e não me arrependi nem um pouco, mesmo com a minha desconfiança com comédias.

A mentira conta a história de Olive, uma menina comum – tão comum que se considera invisível – na época de colégio. Até que a sua invisibilidade dá lugar a fama quando ouvem no banheiro uma mentirinha contada para a sua melhor amiga: que havia perdido a virgindade em um encontro. Em pouco tempo todos do colégio são informados do fato e a mentira que deu fama a Olive acaba levando a mais e mais e mais outras mentiras, até chegarem a um ponto crítico.

O diferencial desse filme são basicamente dois pontos: o humor mais refinado, sarcástico, rápido, e a quantidade enorme de referências bacanas – literárias, musicais, cinematográficas. Apesar da história não ser exatamente extraordinária, o filme te prende e diverte sem grandes esforços, algo ótimo para aqueles dias em que você só precisa relaxar um pouco – dá até pra esquecer o detalhe de que uma pessoa com a beleza da Emma Stone dificilmente seja despercebida nesse mundo, talvez a maior falha da história. Além disso, há participações de gente do mundo das séries, como Lisa Kudrow (a eterna Phoebe de Friends), Penn Badgley (o Dan Humphrey de Gossip Girl), Dan Byrd (o Travis Cobb de Cougar Town) e Amanda Bynes (a Holly Tyler de Coisas que Odeio em Você). Sem contar que a Emma Stone foi indicada ao Globo de Ouro pela atuação e a trilha sonora é uma saladona que vai de Pussycat Dolls a Death Cab for Cutie.

Ufa, já tá bom né? Mas se ainda não consegui te convencer, ou se quiser saber um pouquinho mais da história, aí vai o trailer:

Ficha técnica
Título: A Mentira (Easy A)
Diretor: Will Gluck
Ano: 2010
Gênero: Comédia
Duração: 92 minutos

Você também pode gostar de:

Amor a Toda Prova
Zumbilândia
Top 10 – Dicas de filmes para uma festa do pijama

%d blogueiros gostam disto: